Sindeeco e Detran – DF, em parceria, inauguram a 1º turma de curso gratuito para motofretista.


Quem não possui experiência profissional como motofrete e, deseja entrar no segmento, contará com está ótima oportunidade. Já os motofretes que trabalham na área, há algum tempo, deverão procurar o SEST/SENAT para se qualificar.

Teve início, ontem (17), às 18:30hs, o curso gratuito para motofretista. As aulas foram ministradas na EAPE (Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais de Educação) na SGAS 907 Sul, em frente à escola Nossa Senhora de Fátima, na saída do Parque da Cidade. O curso cumprirá todas as diretrizes que constam na Resolução nº 350, como: o cumprimento das 30 horas/aula e, limite máximo de 30 alunos por turma.

A ideia de qualificar, gratuitamente, pessoas que desejavam ingressar na profissão de motofretista, partiu do presidente do Sindeeco – DF, Reinaldo Pereira. A sugestão foi apresentada ao Diretor de Educação de Trânsito, Luís Filipe de Campos, em um encontro que aconteceu no dia 30 de dezembro, de 2013. O sr. Reinaldo informou que algumas empresas estavam perdendo mão de obra, porque muitos que buscavam ser motofretes desconheciam a Lei 12009/2009.

“Frentistas, serventes (de obra e de limpeza), porteiros e atendentes de lanchonete buscavam constantemente as empresas, atrás de uma profissão que complementasse sua renda. Mas, quando eram informados sobre todos os custos que teriam, para ser um motofrete legalizado, desistiam”, conta, Reinaldo.

O sr. Luís Filipe demonstrou interesse na proposta e, solicitou o envio do projeto escrito até o dia 20 de janeiro, do ano corrente. Setenta e duas horas após a análise, o sr. Reinaldo recebeu um memorando confirmando a parceria.

O presidente do Sindeeco disse estar satisfeito com a celeridade da resposta. “Fiquei surpreso, pois imaginei que demoraria um pouco para obter algum resultado. Eu havia previsto um retorno em 15 dias, mas a eficiência dos diretores do Detran e da Direduc, Rômulo de Castro e Luís Filipe, respectivamente, em nos responder, mostra a seriedade desse projeto e, do órgão. Eu percebo a responsabilidade social desse governo em atender nosso segmento empresarial, porque a aprovação permitirá a geração de novos empregos e, o que é  melhor, todos de acordo com a lei”, explica, Reinaldo.

Segundo o presidente do sindicato patronal, o cenário atual é de grande investimento, por parte das empresas, em sua própria frota de motos, mas existe uma carência de profissionais qualificados para o trabalho.

- As empresas estão investindo em sua própria frota, isso aquece o mercado de trabalho, porque beneficia tanto pessoas que não possuem o veículo como as que não possuem experiência. E os cursos gratuitos atende essa demanda. E, é importante ressaltar que as concessionárias, ao perceberem o investimento das empresas nesses veículos, vão oferecer melhores preços, impulsionando a economia do DF. alega, Pereira.

Neste projeto, o Detran – DF ficará responsável pelos locais, onde serão ministrados as aulas práticas e teóricas, pelo material didático e pelos professores que ministrarão o curso. Já o Sindeeco – DF será responsável pelas inscrições e, pelo envio dessas ao Detran. O sindicato patronal também fará a doação dos coletes refletivos, dos capacetes, da gasolina e das 5 (cinco) motos, para as aulas práticas,  todas licenciadas de acordo com a Resolução nº 356. O transporte de todo equipamento já citado, será de inteira responsabilidade do Sindeeco.

Como funcionará

Serão disponibilizadas 270 vagas, ao longo de 9 (nove) meses. Uma turma formada a cada mês. Mas, só poderá participar aquela pessoa que buscar vaga de emprego em uma das empresas, filiadas ao Sindeeco – DF.

As demais normas, descritas na Resolução nº 356, como ser maior de 21 anos, ter 2 (dois) anos na categoria A, não ter a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) suspensa e nem estar impedido judicialmente de exercer seus direitos, continuam valendo.

Repórter: Jusciléia Santos

Assessoria de Comunicação 

Sindeeco – DF

  1. Nenhum comentário ainda.
(não será publicado)